EDITORIAL

SOMOS MUITOS...
Uns como civis,
outros militares,
de todos os continentes
e cores, feitios,e ideologia
, de um lado ,de ambos, ou
do outro lado da barricada,
ou de nenhum dos lados...
Este é o espaço de todos os que
em algum tempo da sua vida comungaram passageiramente, ou enraizadamente do solo e cultura do ex-ultramar lusitano...
do brasil a timor, de macau à india...
Na crisa do sol e da chuva,
da lua e da brisa do mar,
comungamos todos esse olhar sem fim
de esperança na Humanidade...
DESERDADOS DA FORTUNA...
Refractários talvez...
DESERTORES? NUNCA !!!

digite uma palavra

toque

Ocorreu um erro neste dispositivo

Radios do Brasil ao vivo

segunda-feira, 20 de abril de 2009

MEU PÉ DE JINDUNGUEIRO

O MEU JINDUNGUEIRO
No sacrificio das vidas se mantém
uma ditadura
ou duas
Com lágrimas de diamantes
ou petróleos de sangue...
O meu pé de Jindungueiro
lá ficou
no Sambizanga...

Cá -fico eu
aqui
e agora

descalço
de uma Terra
e um País
Que é
chinês,
russo
ou americano

mas que
nunca mais será
verdadeiramente
africano ...
...Como eu Sou
e o meu Jindungueiro!
Renato Pereira - ngola gomes in
Poesia Incontinente

JOÃO SOARES


"Visita que fiz um ano depois ao local do acidente, Jamba Angola."


"Um pouco mais de sol - eu era braza,

Um pouco mais de azul - eu era além.

Para atingir, faltou-me um golpe d asa...

Se ao menos eu permanecesse aquém...

Assombro ou paz? Em vão...

Tudo esvaído.Num baixo mar enganador d espuma;

E o grande sonho despertado em bruma,

O grande sonho - ó dor ! - quasi vivido...


Mário de Sá-CarneiroPoemas Completos


PALAVRAS DO DR JOÃO SOARES ...

Fonte:
"E caiu mesmo ! Em Setembro de 1989, o avião em que eu seguia caiu em Angola. Caiu mesmo. E essa foi, penso que não o tomarão por excesso se o afirmar, uma experiência única. Aquilo que se designa comumente por uma experiência marcante. Algo que não alterou a minha forma de estar, ou de ver este mundo que é o nosso. Mas ajudou a compreender melhor certas coisas e, sobretudo, destinguir muito melhor e mais rapidamente o essencial do acessório. Por isso me parece importante que no quadro de notas breves sobre a minha vida haja um traço sobre este momento especial. Ou melhor sobre o momento ele próprio e o que se lhe sucedeu. Será esta, mais do que em qualquer outra, uma página em construção permanente. Até porque não tenho, sobre esta matér
"E caiu mesmo ! Em Setembro de 1989, o avião em que eu seguia caiu em Angola. Caiu mesmo. E essa foi, penso que não o tomarão por excesso se o afirmar, uma experiência única. Aquilo que se designa comumente por uma experiência marcante. Algo que não alterou a minha forma de estar, ou de ver este mundo que é o nosso. Mas ajudou a compreender melhor certas coisas e, sobretudo, destinguir muito melhor e mais rapidamente o essencial do acessório. Por isso me parece importante que no quadro de notas breves sobre a minha vida haja um traço sobre este momento especial. Ou melhor sobre o momento ele próprio e o que se lhe sucedeu. Será esta, mais do que em qualquer outra, uma página em construção permanente. Até porque não tenho, sobre esta matéria, querido falar muito... "