EDITORIAL

SOMOS MUITOS...
Uns como civis,
outros militares,
de todos os continentes
e cores, feitios,e ideologia
, de um lado ,de ambos, ou
do outro lado da barricada,
ou de nenhum dos lados...
Este é o espaço de todos os que
em algum tempo da sua vida comungaram passageiramente, ou enraizadamente do solo e cultura do ex-ultramar lusitano...
do brasil a timor, de macau à india...
Na crisa do sol e da chuva,
da lua e da brisa do mar,
comungamos todos esse olhar sem fim
de esperança na Humanidade...
DESERDADOS DA FORTUNA...
Refractários talvez...
DESERTORES? NUNCA !!!

digite uma palavra

toque

Ocorreu um erro neste dispositivo

Radios do Brasil ao vivo

terça-feira, 23 de abril de 2013

QUO VADIS…

econo

QUO VADIS …TERRAE               LXXII

Na Europa os pinheiros choram todas as manhãs,

o orvalho já não existe,tornou-se lágrimas.

Todos os dias nas ruas amontoam-se máquinas

de carne e osso que não querem morrer !

Da Ásia nasce uma melodia fúnebre

Que já não encanta a serpente do ódio,

que todos os dias se enrosca nas gargantas

e aperta, esgana, esmigalha as crianças.

Em África, o litoral traiu o interior…

Trocaram a virgindade da Floresta

pela devassa prostituta da Guerra…

A Liberdade de Mãe África morre ao entardecer !

Na América esquecem a nossa existência

esquecem ter nascido duma revolução

que mostrou ao Mundo o caminho da LIBERDADE…

Esquecem-se e se masturbam com DOLLARS…

E o Mundo vai ardendo lentamente

como Roma incendiada por Nero…

E na Europa os pinheiros choram,

Na Asia toca uma melodia fúnebre,

Em África  a Liberdade morre ao entardecer

E na América esquecem a nossa existência…

                      20 Agosto de 1977

in “poesia incontinente”

       Renato Gomes Pereira

Sem comentários: