EDITORIAL

SOMOS MUITOS...
Uns como civis,
outros militares,
de todos os continentes
e cores, feitios,e ideologia
, de um lado ,de ambos, ou
do outro lado da barricada,
ou de nenhum dos lados...
Este é o espaço de todos os que
em algum tempo da sua vida comungaram passageiramente, ou enraizadamente do solo e cultura do ex-ultramar lusitano...
do brasil a timor, de macau à india...
Na crisa do sol e da chuva,
da lua e da brisa do mar,
comungamos todos esse olhar sem fim
de esperança na Humanidade...
DESERDADOS DA FORTUNA...
Refractários talvez...
DESERTORES? NUNCA !!!

digite uma palavra

toque

Ocorreu um erro neste dispositivo

Radios do Brasil ao vivo

quinta-feira, 10 de abril de 2014

À MORTE DE LUANA

sete

 

À MORTE DE LUANA

 

Só ?

Eu não estou só !

Caminha a Certeza comigo!

O rumo certo conheço-o

A Liberdade sei onde encontrar…

A Paz e o Amor ?

Um dia, numa madrugada quente…

…quando estiver debaixo de uma marmórea laje…

Eu não estou só, meu amor…

O músculo propulsor bate em meu peito,

pulsando ritmadamente…

…e o meu sangue é quente.

A Lua para mim nada é que um planeta rochoso

onde sei que não habita Cupido.

A Tua morte , amor, naquele dia…

De que lado estás quando me deito ?

Que lugar ocupas que não te apalpo?

O teu silêncio:flor, eu não te sinto…!!!

Só?!

Sim eu estou só…

Até à madrugada quente,numa marmórea laje…

E eu sou Livre!

Voo até à Eternidade e regresso…

Que eu não sei se existo,

ou se estou só!

A Eternidade é nada,

tudo,

ou tudo e nada ???

Naquele dia, na tua morte,

eu não chorei,

que tu não morreste…

E eu,

Não estou só ! Sei que

não morremos…

 

                          Coimbra,17 de Setembro de 1980

                               Renato Gomes Pereira

 

 

Sem comentários: